Obsolescência programada

A obsolescência programada é uma estratégia dos fabricantes que consiste em reduzir a vida útil dos produtos a fim de aumentar as vendas. 

Até o início dos anos 1920 uma lâmpada incandescente comum durava em média 2.500 horas. Em 1924, Phillips, General Electric, Osram e outros fabricantes de lâmpadas se reuniram e constituíram um cartel, uma associação que regulava a produção e o comércio de lâmpadas. A finalidade era padronizar a duração das lâmpadas para impulsionar a demanda do produto, de modo que as pessoas não tivessem escolha a não ser trocar suas lâmpadas de tempos em tempos. 

Essa história ficou conhecida como a conspiração da lâmpada. Os fabricantes decidiram que a duração média das lâmpadas seria de 1.000 horas. Nessa época foi registrada a patente de uma lâmpada capaz de durar 100.000 mil horas, mas por influência do cartel ela jamais chegou ao mercado.

Em pouco tempo a estratégia dos fabricantes de lâmpadas foi adotada por outros setores da indústria. No documentário A História Secreta da Obsolescência Programada são abordados outros produtos que foram alvo dessa prática, como a meia-calça e a impressora.