12 de setembro de 2014

A emoção como inimigo

Imagine um mundo em que ter sentimentos é crime. Essa é a realidade retratada em Equilibrium, um filme de 2002 que ilustra uma sociedade futurista que luta para erradicar a emoção humana, como forma de manter a paz e a estabilidade. 

Inspirada em obras como 1984, Admirável Mundo Novo e Fahrenheit 451, Equilibrium aborda uma sociedade (Libria) que tenta se reconstruir a partir dos destroços deixados pela 3ª Guerra Mundial, ocorrida no início do século XXI. Os sobreviventes da guerra logo perceberam que para que a humanidade continuasse a existir seria preciso acabar com a causa de todas as guerras: a emoção humana, fonte de incerteza e violência.

30 de agosto de 2014

A Disney e a 2ª Guerra Mundial


A entrada dos Estados Unidos na 2ª Guerra Mundial deu-se logo após o ataque japonês à base naval de Pearl Harbor, em dezembro de 1941. Até então o país adotara uma postura neutra e de distanciamento em relação ao conflito que, até aquele momento, era marcadamente “europeu”.

Entre 1942 e 1945, 16 milhões de homens e mulheres serviram nas forças armadas norte-americanas. O gasto com as operações de guerra no período consumiu 36% do PIB (Produto Interno Bruto) do país, totalizando US$ 296 bilhões na época, ou US$ 4,1 trilhões em valores atuais. (fonte: Congressional Research Office, 2010)


Esse considerável esforço de guerra teve a participação de estúdios como Warner, Fox e Disney. Essa parceria era fundamental, pois no início dos anos 1940 quase ninguém tinha TV em casa. Por outro lado, nos finais de semana, 90 dos 120 milhões de norte-americanos iam aos cinemas! A comunicação de massa abrangia também o jornal e o rádio, e juntos, essas três mídias se mostraram muito úteis para que o governo tivesse a cooperação de seus cidadãos em tempos de guerra.

19 de agosto de 2014

A caverna dos sonhos esquecidos

Sul da França - Vale do Rio Ardèche, 18 de dezembro de 1994

Dias antes do Natal, três exploradores encontraram uma caverna. Sua entrada era tão estreita que um homem mal conseguia atravessar. Esta poderia ser uma descoberta qualquer, mas a caverna tinha em seu interior pinturas feitas há 32 mil anos, o dobro da "idade" da arte rupestre mais antiga conhecida pelo homem, até então.

Há 20 mil anos, um desabamento de rochas fechou a entrada da caverna, que permaneceu intacta até sua descoberta em 1994. Por ter sido preservada como uma "cápsula do tempo", seu conteúdo encontra-se em excelente estado de conservação. Além de pinturas de animais e partes do corpo humano, a caverna abriga ossos de animais já extintos.


8 de agosto de 2014

O poder dos pesadelos

"No passado, os políticos prometeram criar um mundo melhor. Eles tinham diferentes meios de buscar isso, mas seu poder e autoridade vinham das visões otimistas que eles ofereciam ao povo. Esses sonhos falharam e hoje as pessoas perderam a fé nas ideologias. Cada vez mais, políticos são vistos simplesmente como administradores da vida pública. Mas agora eles descobriram uma nova função, que lhes devolve o poder e a autoridade. Ao invés de prometer-nos sonhos, os políticos agora prometem proteger-nos de pesadelos. Eles dizem que vão nos salvar de terríveis perigos que não podemos ver nem entender. E o maior perigo de todos é o terrorismo internacional, uma poderosa e sinistra rede com células adormecidas em países ao redor do mundo, uma ameaça que precisa ser combatida através de uma 'guerra ao terror'. Mas muito dessa ameaça é uma fantasia, que tem sido exagerada e distorcida por políticos. É uma ilusão sombria que é divulgada sem questionamentos por governos, agências de segurança e pela mídia internacional."

O trecho acima é uma tradução livre da introdução ao documentário O Poder dos Pesadelos (The Power of Nightmares, 2004). Produzido para a BBC e dividido em 3 partes, o documentário conta a história de dois grupos que contribuíram para a “ascensão das políticas do medo” nas últimas décadas: os neoconservadores americanos e os islamitas radicais.

4 de agosto de 2014

As prisões privadas

Ribeirão das Neves tem 300 mil habitantes e fica a 23 km de Belo Horizonte. Em janeiro de 2013, começou a funcionar no município o primeiro presídio privado do país, fruto de uma parceria público-privada (PPP) firmada entre o Governo do Estado de Minas Gerais e o consórcio GPA - Gestores Prisionais Associados. O contrato prevê a concessão, por um período de 27 anos (prorrogáveis por mais 35), de um complexo prisional formado por 5 unidades, capazes de abrigar 608 presos cada uma.

Atualmente, o custo de manutenção de um preso numa penitenciária pública gira em torno de R$ 1,3 a R$ 1,7 mil por mês. Na PPP de Ribeirão das Neves, o consórcio GPA vai receber do governo estadual R$ 2,7 mil por mês, para cada preso. Este projeto, que por enquanto é observado como um piloto, tem recebido atenção de autoridades, acadêmicos e entidades do terceiro setor. Inclusive, os governos de São Paulo, Rio Grande do Sul, Pernambuco e Distrito Federal já estudam a implantação de PPPs nos mesmos moldes. 

29 de julho de 2014

Shenzhen

Localizada no sul da China, ao norte de Hong Kong 

População     
1978: 30 mil 
1984: 350 mil
2005: 12 milhões

A julgar pelos números, o assunto poderia ser "experimento com coelhos", mas trata-se de mais uma façanha humana que resulta da combinação de cidade e indústria: a boa e velha migração. Talvez nem tão boa assim, mas certamente velha.

Em 1980, Shenzhen era uma vila de pescadores quando foi escolhida para sediar a primeira Zona Econômica Especial da China, numa das muitas reformas promovidas pelo líder político Deng Xiaoping. Isso significou incentivos à exportação, atração de capitais estrangeiros e investimentos em infraestrutura. Adicione o ingrediente "excedente de mão-de-obra barata", leve ao forno por 25 anos e está pronta a explosão demográfica.